Memorial do Consumo

Dumont: “consumo insere as pessoas na sociedade”

renata-dumont-delicatessen-insideRenata Dumont, produtora executiva da Delicatessen, é jornalista e sempre teve atuação em produtoras de filmes, assinando projetos para anunciantes como Johnson & Johnson, Itaú, Mitsubishi, Vivo,  Natura, TIM e C&A, entre outras marcas. Ao Memorial do Cosuno, Renata fala sobre a ‘magia’ e o poder da publicidade. Confira!

Memorial do Consumo: Quando você começou a se interessar por propaganda?
Dumont: Eu buscava uma mudança profissional e descobri que na propaganda havia uma ‘magia’ sobre fazer as coisas acontecerem. Acabei fascinada sobre essa possibilidade de estudar, descobrir e comunicar o que as pessoas gostam,  precisam ou simplesmente têm prazer em saber.  E fica muito claro quando essa tarefa é bem realizada, pois os resultados explodem – e isso é sensacional. Ter o poder de comunicar e influenciar é muito poderoso!

Memorial do Consumo: Qual a sua memória sobre publicidade e consumo na infância? E atualmente?
Dumont: Antigamente tínhamos somente a TV aberta e ainda assim pra mim era quase um luxo. Então a recordação que tenho é de uma publicidade muito mais aspiracional. Aqui, posso citar os comerciais de Hollywood, Bombril, Guaraná com Pipoca, Casas Pernambucanas ou Valisere, do primeiro sutiã. Tudo muito leve, sem necessariamente ter o peso do consumismo.

A grande diferença para hoje está no fato da publicidade não só comunicar, mas te classificar por meio do seu consumo. Ou seja: você precisa consumir para fazer parte. E se não fizer parte, não existe.

Memorial do Consumo: Suas práticas de consumo ao longo da sua vida influenciam no seu trabalho?
Dumont: Sim! Quanto mais me deixo envolver pela sedução do consumo, acabo pautando também minhas escolhas profissionais, principalmente em função de algumas práticas que podem, inclusive, mudar de tempos em tempos.

Memorial do Consumo: O seu trabalho influencia suas práticas de consumo? Como você se vê influenciando o consumo de uma família?
Dumont: Convivo com isso diariamente. Mudei a minha percepção sobre vários produtos. Fui notando que nem sempre a publicidade é fiel à realidade de um produto ou de um comportamento. E nessa mesma linha de pensamento, acabo influenciando muito minha família, baseada nas minhas vivências de trabalho. A publicidade hoje precisa trabalhar com a verdade – e quanto mais verdadeira, maior a chance de ser bem sucedida.

Memorial do Consumo: O que o consumo representa para você?
Dumont: Consumo é o que escolhemos para, de alguma forma, nos ajudar a nos definir e nos inserir em alguns modelos existentes na sociedade.

SOBRE O AUTOR

é jornalista e mestrando do Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Práticas do Consumo da ESPM-SP.