Memorial do Consumo

O conceito de família na telenovela

A pesquisadora Camilla Netto Rocha, doutoranda pelo PPGCOM ESPM, nos conta sobre sua dissertação de mestrado e seus aprendizados. Confira:

Sobre o que foi a sua pesquisa?

Feliz e Niko, casal homoafetivo da telenovela Amor à Vida (2013)

A minha pesquisa de mestrado foi sobre o conceito de família, mais especificamente, sobre a família homoafetiva pautado em duas telenovelas da Rede Globo. Partimos de um debate contemporâneo em torno desse conceito – que tem lugar hoje no Legislativo com a discussão do Estatuto da Família – e localizamos dois exemplos nas telenovelas Em Família e Amor à Vida, através dos personagens Clara e Félix, respectivamente. Eles contam para o telespectador, através das suas histórias nas narrativas, sobre a importância do reconhecimento da união homoafetiva, ou seja, sobre a legitimidade desse formato de família. Em uma segunda etapa a pesquisa buscou se aproximar de estudantes do 3º ano do ensino médio de duas escolas públicas para refletir com eles sobre as questões suscitadas nas novelas quando apresentam as famílias homoafetivas em suas narrativas.

Qual foi a sua reflexão?

A telenovela, por circular sem grandes entraves, é um produto cultural capaz não só de pautar importantes temáticas sociais mas também de gerar uma interação eficaz no seio social. E como cada novela trouxe o debate da sua forma mas ambas abordaram questões similares tais como preconceito, respeito, machismo e gênero, pudemos refletir tanto sobre a narrativa midiática em si, quanto sobre as questões que orbitam em torno da homoafetividade. E assim o fizemos analisando os discursos das telenovelas e, depois, as reverberações que tais discursos tem nos estudantes do ensino médio. Vimos com eles cenas das duas novelas, em que os personagens passam por momentos de preconceito e agressões emocionais e físicas, por momentos de incertezas e dificuldades, bem como as cenas finais em que Clara se casa com Marina e Félix vai morar com Niko.

Por que essa reflexão é importante para nós, enquanto sociedade?

Esta reflexão é importante porque o Estatuto da Família está indo na contramão do que pudemos vislumbrar com nossa pesquisa: no panorama das composições familiares do cenário contemporâneo, percebemos que predominam mudanças em sentidos outros que não aqueles que caminham para a proposta legislativa cujo intento é o de confinar, como família, somente a união entre um homem e uma mulher. Pudemos constatar que o crescimento das famílias heteroafetivas tem perdido espaço para outros modos de se compor como família, tal como evidencia o acréscimo no número de uniões entre pessoas do mesmo sexo, nos últimos anos. Então é importante conhecer e dar a conhecer uma reflexão em torno dos discursos das telenovelas e, ainda, muito importante refletir junto com os alunos, no caso de duas escolas públicas, sobre a questão da homoafetividade. É assim que a televisão pode ganhar relevância enquanto espaço potente pois, através de seu produto cultural, telenovela, permite sejam pensados com os alunos, elementos que os fortalecem em direção a um pensamento crítico e cidadão.

O que você descobriu? Quais foram os resultados?

Ganhou destaque, quando da análise dos discursos das telenovelas Amor à Vida sobre a família homoafetiva, a existência forte e enraizada do machismo, presente principalmente nas falas de um pai (César) em rejeição ao seu filho homossexual (Félix). E pudemos perceber que houve o contraponto a esse machismo na telenovela Em Família, com a atitude da própria personagem Clara, evidenciada em muitos momentos como uma mulher autônoma, dona de si, capaz de buscar sua felicidade, perseguindo o que lhe fazia bem. É seguindo nesta direção que entendemos ter havido o processo reverso do estigma colocado pelo machismo, uma vez que Clara solapou o estigma da boa esposa, fiel cumpridora dos deveres do lar, que obedece às ordens do marido. Como afirmamos, o machismo trata de maltratar qualquer mulher que seja dona de si e Clara se impõe contra essa cultura machista. Isso também se torna evidente na medida em que ela deixa claro que não vai ser o casamento que a obrigará a dar satisfações. Já a partir dos discursos dos alunos, pudemos perceber, em alguns deles, a constituição de uma posição machista quando dizem que “como tem homens que aparentam ser tudo másculo, e o homem mesmo é muito machista. E aí você vê dois homens se beijando, assim, é meio chocante”. Percebemos que a própria concepção machista de ver o mundo impede que aceitem a homossexualidade como uma orientação sexual.

Fale um pouquinho da experiência de ter feito a pesquisa

A pesquisa se revelou um momento de descoberta e de crescimento pessoal. Foi bonito perceber a importância da telenovela na vida das pessoas, inclusive na minha. O papel que a telenovela desempenha só se revelou mais vividamente em mim quando  mergulhei em seus discursos e quando assisti junto e conversei com os jovens sobre as questões envolvendo família e homoafetividade. A jornada de ir a campo se revelou especialmente gratificante: perceber a urgência desse debate, a importância que ele tem na vida de todos nós, e ainda, ter a oportunidade de realizar essa conversa para além do computador, é de encher qualquer um de alegria.

SOBRE O AUTOR

Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Práticas do Consumo da ESPM-SP. Graduada em Publicidade e Propaganda pela ESPM-SP.