Memorial do Consumo

Cebola: “a propaganda e a comunicação têm a obrigação de respeitar limites”

cebola-memorialCarlos Guedes, o “Cebola”, é sócio e produtor executivo da Your Mama Filmes. O executivo, que começou a carreira no ramo da Hotelaria, trabalhou na área de atendimento de agências como AlmapBBDO, Leo Burnett e J Walter Thompson, antes de migrar para área de produção. Confira o papo dele com o Memorial do Consumo:

Memorial do Consumo: Quando você começou a se interessar por propaganda?
Carlos Guedes: Sou hoteleiro e fui parar na propaganda por acaso. Fiquei sabendo de uma bolsa de estudos na Suíça e fiquei muito interessado – só que, para ganhar a bolsa, deveria estar cursando alguma faculdade de Comunicação. Na época, o curso de Hotelaria era apenas técnico e decidi entrar no curso de Propaganda para ser contemplado com a viagem. No final, nunca trabalhei com Hotelaria – e na propaganda já estou há 30 anos.

MC: Qual a sua memória sobre publicidade e consumo na infância? E atualmente?
Guedes: Eu lembro de clássicos da propaganda nos anos 70….”Dá-me um Cornetto, muito crocante. E piú cremoso, é da Gelato Cornetto”…Me lembro bem: um cidadão em Veneza, cantando numa gôndola, e acabava tomando um corneto da Kibon. Tinha um comercial do desodorante Italian Pine, que era muito engraçado: um tipo estranho que chamava a atenção de todos num avião só por causa do produto.

MC: Suas práticas de consumo ao longo da sua vida influenciam no seu trabalho?
Guedes: A propaganda e a comunicação têm a obrigação de respeitar limites. Lembro sempre do filme “Um dia de fúria”, na tradicional cena que o Michael Douglas quer um sanduíche igual ao da foto – que é muito maior do que o produto real. Está estabelecido que não dá para mentir descaradamente para as pessoas, os fabricantes e o comércio cada vez mais tem esta noção de responsabilidade.

MC: O seu trabalho influencia suas práticas de consumo? Como você se vê influenciando o consumo de uma família?
Guedes: Basicamente, o que meu trabalho faz é divulgar conceitos e valores de produtos e marcas. Acredito que, a cada dia que passa, o consumidor está mais exigente e mais informado sobre o que consome. O trabalho da propaganda é divulgar o que está disponível no mercado e cabe ao consumidor verificar a informação. E, a partir deste momento, estabelecer uma relação com as marcas.

MC: O que o consumo representa para você?
Guedes: É essencial para a vida das pessoas, mas se torna um problema quando se consome sem ter necessidade.

 

SOBRE O AUTOR

é jornalista e mestrando do Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Práticas do Consumo da ESPM-SP.