Memorial do Consumo

O estudo da prática cosplay e os métodos da História Oral

Lançamento do livro Cosplay, Steampunk e Medievalismo: memória e consumo nas teatralidades juvenisNo dia 18 de agosto, tivemos o prazer de testemunhar o lançamento do livro Cosplay, Steampunk e Medievalismo: memória e consumo nas teatralidades juvenis, organizado pela profa. dra. Mônica Rebecca Ferrari Nunes. O evento de lançamento contou com a presença de praticantes dessas teatralidades e aconteceu na livraria Cultura Geek, no Conjunto Nacional da Avenida Paulista.

 

Para quem não tem intimidade com o assunto, esses três termos são considerados práticas juvenis e são extremamente relevantes para o PPGCOM ESPM, uma vez que são fenômenos profundamente embebidos nas questões da comunicação e do consumo. Como são feitas as reuniões? Como eles se organizam? E como conseguem as roupas tão distintas? Compram ou fazem? Como esses processos são compreendidos, registrados e comunicados entre eles? A memória é um ponto nevrálgico na pesquisa, e se torna uma questão ainda mais evidente no caso dos medievalistas,  jovens que teatralizam um tempo que se pretende um passado real. Como se produz e como se entende a memória?

 

A profa. dra. Mônica estuda o tema há alguns anos e já produziu bastante conhecimento sobre o assunto. Mas, afinal, como se pode estudar algo que é essencialmente performático? Se as cenas cosplay, medievalista e steampunk se organizam pautadas pelos encontros presenciais e pela performance, que é apenas em parte registrada, a partir de que material podemos pesquisá-los?

 

Neste artigo, a pesquisadora comenta como combinou métodos de diferentes disciplinas e também como a quebra de alguns protocolos foram moldando a sua forma de fazer pesquisa. Entre alguns casos, Mônica conta que os elogios às performances dos seus entrevistados quebram a neutralidade canônica do pesquisador, mas foram fundamentais para deixar seus entrevistados mais relaxados e abertos à entrevista. Ela também descreve o uso da flânerie como método de pesquisa, elaborando um roteiro básico, mas não fechado, para as suas incursões nos eventos objeto da pesquisa.

 

Ao final do artigo, tomamos um pouco de conhecimento sobre como em um trabalho baseado em entrevistas e observações, a pesquisadora tomou suas decisões sobre métodos, protocolos, mistura de métodos e quebra de protocolos a fim de criar um trabalho mais preciso e mais sensível. Ela também avalia suas experiências em coletar, selecionar e analisar material de um objeto que não produz muitos documentos.  É uma ótima referência para os pesquisadores da comunicação, do consumo e da cultura. Se interessou? O artigo completo pode ser acessado em http://seer.uscs.edu.br/index.php/revista_comunicacao_inovacao/article/view/2753/1670 e o livro pode ser adquirido neste link: https://www.livrariacultura.com.br/p/livros/comunicacao/cosplay-steampunk-e-medievalismo-46639996

SOBRE O AUTOR

é curiosa, adora viajar e perguntar o porquê das coisas. Se formou na ESPM e trabalhou em grandes agências. Hoje atua como redatora, pesquisadora e estrategista independente. É mestranda do PPGCOM-SP