Memorial do Consumo

Da cerveja ao pingado, o copo ícone do Brasil popular faz 70 anos

Cerveja, pingado e pinga. Não tem nada mais clássico do que  servir esses 3 líquidos no famoso copo americano. Diferentemente dos produtos pensados com grandes campanhas e estratégias, esse objeto foi silenciosamente conquistando seu posto de ícone do Brasil popular. E a conquista do seu lugar na memória e nos corações brasileiros aconteceu com uma combinação simples: design funcional com preço acessível.

O copo americano definitivamente tornou-se mais do que um objeto de consumo
O copo americano definitivamente tornou-se mais do que um objeto de consumo

O copo americano é produzido pela centenária Nadir Figueiredo. Ele foi desenhado em 1947 e leva esse nome porque o maquinário que o produziu tinha acabado de ser comprado nos EUA. O design foi pensado para ter baixo custo, alta resistência e dar firmeza na pegada, dificultando que o copo escorregue da mão. Essa combinação de características lhe rendeu o título de “fusca dos copos”. Atualmente o copo americano é vendido por cerca de R$1 a unidade e a produção é feita em Suzano, na Grande São Paulo. Mas ele é muito mais do que seus detalhes técnicos.

 

Podemos ver a força deste produto na cultura nos inúmeros sites de receita que utilizam o copo como medida para ingredientes. A força da sua popularidade e tradição não só entre os consumidores: em muitos mercados atacadistas o copo americano é registrado somente como “copo”.  E o reconhecimento formal desta força veio em 2009, quando “o copo” foi exibido no MoMa de Nova York na mostra de ícones do design brasileiro. No tamanho seu original (e icônico) cabem 190ml, embora hoje a empresa já o produza em diferentes tamanhos.

 

Se esse produto passou décadas compondo o cenário dos botecos populares de forma despretensiosa, o que se viu nos últimos anos foi uma “havianização” do copo americano: ele passou a configurar a louça dos botecos chiques das capitais e a ser vendido em lojas de design em versões personalizada. Nesses novos cenários, “o copo” sempre aparece como uma forma de conexão com o popular e com o tradicional do Brasil. E assim, como aconteceu com o MoMa em 2009, uma rápida busca no Google nos dá a prova material de que esse produto realmente alcançou o posto de ser mais do que um objeto de consumo: são inúmeras fotos de pessoas que tatuaram o copo em seus corpos. Definitivamente, o copo americano está marcado na memória e no afeto do brasileiro.

 

Imagem retirada do Pinterest https://br.pinterest.com/pin/197876977358402986/

Com informações de:

http://www.saopauloinfoco.com.br/copo-americano/

https://vejasp.abril.com.br/blog/memoria/o-aniversario-de-um-icone-o-copo-americano/#

http://www.nadir.com.br/

SOBRE O AUTOR

é curiosa, adora viajar e perguntar o porquê das coisas. Se formou na ESPM e trabalhou em grandes agências. Hoje atua como redatora, pesquisadora e estrategista independente. É mestranda do PPGCOM-SP