Memorial do Consumo

Tang e Jaime trazem o sabor da fruta às crianças

Anúncio impresso de Tang na década de 90
Anúncio impresso de Tang na década de 90

A história da marca TANG começou em 1957 quando pesquisadores da empresa alimentícia General Foods Corporation, liderados por William A. Mitchell, criaram um suco em pó concentrado que ao ser misturado com água se transformava em uma bebida deliciosa e refrescante. O produto foi lançado no mercado americano somente em 1959 no sabor laranja. Acredita-se que o nome do produto tenha sido inspirado na China, onde a palavra TANG significa açúcar, substância extremamente abundante na fórmula original do produto.

O TANG foi inicialmente lançado no mercado americano como um produto para ser consumido no café da manhã, mas não teve muitas vendas. O TANG virou um sucesso somente depois que a NASA, agencia espacial americana, começou a utilizar o produto em suas viagens espaciais. Os astronautas do Projeto Mercury e do Programa Gemini passaram a usar o produto com o objetivo de melhorar o gosto da água fornecida nas missões espaciais e logo o suco em pó começou a fazer sucesso com a população americana. TANG foi lançado no Brasil somente em 1978, com o diferencial de que já seria adoçado, prometendo praticidade, modernidade e o “melhor gostinho da fruta”, para os consumidores brasileiros.

Nos anos 90, a Kraft foods desenvolveu uma campanha especial para a America Latina, que viria a ser mais tarde seu maior mercado consumidor, tentando popularizar o produto por aqui. Produzida no México e redublada no Brasil, a campanha que fez sucesso pela sua irreverência trazia o Mordomo Jaime, empregado de uma família de milionários, que tinha em suas funções satisfazer o capricho das crianças mimadas da família.

Na propaganda, o mordomo Jaime tinha de resolver uma questão: as laranjas haviam acabado e as crianças queriam suco. A solução então era servir o suco em pó, que trazia “o verdadeiro gostinho da fruta”. Graças a campanha, a frase “Jaime, o menino está com sede e não temos laranjas” tornou-se um bordão da cultural popular da época. Confira a propaganda de 1995:

Fonte: aqui.

 

SOBRE O AUTOR

Maria Beatriz Portelinha é mestranda do Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Práticas do Consumo da ESPM-SP.