Memorial do Consumo

Os discursos do varejo no espaço urbano

Como as organizações varejistas se relacionam com a cidade? Quais aspectos da cidade estão inseridos na comunicação destes estabelecimentos? Como sua cultura, memória, entre outros, são considerados (ou não) na comunicação desses locais?

verejo
Foto: Kevin Laminto

É a estas perguntas que a pesquisa do grupo da professora Drª Desire Blum Menezes Torres, docente do Departamento de Comunicação do curso de Relações Públicas da Universidade Estadual de Londrina, procura responder.

Ainda são estudados o lado humano da organização, no que tange a seus funcionários e clientes. E também vínculos de pertencimento que as organizações constroem (ou não) e que são materializados em suas ações e/ou vistos somente nos seus discursos, como slogans.

“Nossas pesquisas têm constatado estabelecimentos comerciais totalmente isolados com a cultura local. Alguns possuem enorme carga de relação com a história da cidade, mas não são notados por isso, e outros que trazem elementos da cidade em toda a concepção da sua estrutura, mas que dão destaque a uma das faces da sua origem, ficando desconsiderados na sua comunicação. Causas que podem ser tanto ser por esquecimento ou um esquecimento programado”, segundo a pesquisadora.

“O que mais almejamos no projeto é de que nossas pesquisas possam continuar a ser um instrumento de sensibilização de estudantes e profissionais que venham a contribuir sem deixar os vínculos humanos fiquem em extinção, e que os relacionamento pessoais não sejam esquecimentos e nem a memória e cultura local, e que o discursos dos varejos possam comunicar mais o real e menos  um ‘vem ser feliz’, finaliza.

SOBRE O AUTOR

Mestranda da ESPM, é pós-graduada em Jornalismo e graduada em Propaganda e Marketing. É empreendedora à frente da agência digital Wonder Comunicação Estratégica, professora de escrita e marketing digital, e proprietária do canal de entrevistas em vídeo Gente de São Paulo.