Memorial do Consumo

Gabriel Soares, 23 anos, estudante

“Em uma tarde qualquer em uma livraria, buscando por alguma história nova para ler, acabei pegando para folhear um livrinho curto na seção de quadrinhos: Prelúdios e Noturnos, o primeiro capítulo de Sandman, de Neil Gaiman. A ilustração quase amorfa da capa por Dave McKean me chamou a atenção, e lendo a primeira página, tive a confirmação de que seria o livro que eu levaria para casa naquele dia. Nas semanas seguintes busquei mais capítulos daquela história, caçando por livrarias e sebos, até que descobri a enormidade da obra: existiam 4 grandes compilados daqueles quadrinhos que foram lançados mensalmente de janeiro de 1989 a março de 1996. Quatro livros pesando 1,7kg cada, praticamente uma arma doméstica feita de papel e tinta. Com meu aniversário de 14 anos chegando em poucas semanas, pedi o primeiro dos livros de presente à minha mãe. O livro era caro, mas ela fez questão de comprar o presente. Minha mãe sempre valorizou meu interesse pela leitura; mesmo quando o dinheiro em casa era escasso, ela priorizava os estudos e a leitura: “a coisa mais valiosa que você tem é o seu conhecimento”, como ela ainda hoje me diz. Li lentamente o livro, para que não terminasse logo, porque sabia que o segundo tomo não viria tão cedo: lia um pedaço, retornava algumas páginas, progredia, recomeçava, progredindo devagar. No aniversário seguinte, minha mãe me deu o segundo livro de presente, e assim pelos dois anos que se seguiram, até terminar minha coleção de 4 livros que aumentava a cada final de abril. São meus livros preferidos, e, ainda hoje, a cada novo aniversário, minha mãe e eu saímos para comprar livros.”

SOBRE O AUTOR

é bacharel em Comunicação Social e mestrando em Comunicação e Práticas de Consumo pela ESPM, além de ser apaixonado por tecnologia, jogos, filmes e tudo que envolva o universo nerd.