Memorial do Consumo

Comunicação, consumo e arte

Gif_Grupo

  • Descrição
  • Ementa
  • Objetivos
  • Linhas de pesquisa
  • Equipe
  • Participantes
  • Contato
  • Calendário
  • Produção

Descrição

Nas últimas décadas, a concepção de consumo – para muitos apenas um ato de aquisição de mercadorias – se ampliou a partir das reflexões de estudiosos de distintas áreas, como antropólogos (Canclini, McCracken, Douglas e Isherwood), sociólogos (Slater, Silverstone, Bourdieu) e teóricos culturais (Williams, Hall), além de pesquisadores de comunicação, entre outros.

No Brasil, destacam-se as pesquisas pioneiras dos docentes do Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Práticas do Consumo da ESPM, que, em conjunto com seus orientados, vem, há dez anos, investigando variados objetos teóricos e empíricos da comunicação e suas conexões com o consumo ­–entendido como um fenômeno complexo que envolve as relações socioculturais e se consubstancia num sistema simbólico, amplificando-se através dos meios de comunicação de massa, o que obriga a abordagens multidisciplinares.

Integrando, desde sua criação, a equipe de pesquisadores do PPGCOM da ESPM, temos focado nossos estudos nas estratégias de produção discursiva das narrativas do consumo, como a publicidade e, também, os imbricamentos do consumo com a arte em geral – a literatura em específico.

Na impossibilidade de abordar as muitas angulações do quadro de debates que se alarga nos espaços culturais midiáticos, pretendemos no projeto inaugural deste GP concentrar nossa discussão em práticas de consumo expressas em manifestações artísticas, como a literatura, o cinema, as artes plásticas, a música etc, e nas lógicas de produção da indústria criativa e artística. Para isso, contamos com nossos orientandos atuais de mestrado e doutorado, mestres formados pelo programa sob nossa orientação e pesquisadores externos com os quais temos tradicionalmente mantido parceria acadêmica.

Graças às novas possibilidades tecnológicas, interessa-nos igualmente abordar questões atinentes à concepção da arte, sua produção e consumo (daquilo que é sensível) e seus contornos em dimensão expandida – desdobramento advindo de sua gênese (toda arte é em algum grau contaminada por outra arte) –, que encontram estudos significativos, mas não na confluência proposta por nós, articuladas com a comunicação.

Ementa

O GP concentra suas investigações em práticas de consumo expressas em manifestações artísticas, como a literatura, o cinema, as artes plásticas, a música etc, e nas lógicas de produção da indústria criativa e artística. Busca igualmente discutir questões atinentes à concepção da arte, sua produção e consumo e seus contornos em dimensão expandida – desdobramento advindo de sua gênese (toda arte é em algum grau contaminada por outra arte) – sempre na confluência com o campo da comunicação.

Objetivos

  • Investigar as práticas de consumo em obras artísticas (literárias, cinematográficas, musicais etc.) e sua interface com fenômenos comunicacionais
  • Analisar discursos midiáticos e sua produção de sentido voltada para o consumo, a partir de sua relação com as matrizes artísticas
  • Desenvolver reflexões teóricas sobre comunicação, consumo e arte, em perspectiva diacrônica e sincrônica
  • Estudar a ficcionalidade de discursos midiáticos e os elementos de sua poética e estética
  • Pesquisar as lógicas produtivas da indústria criativa e artística

Linhas de pesquisa

Linha 1: Consumo, arte e poética midiática

Investiga as práticas de consumo em obras artísticas (literárias, cinematográficas, musicais etc.) e sua interface com fenômenos comunicacionais – Analisar discursos midiáticos e sua produção de sentido voltada para o consumo, a partir de sua relação com as matrizes artísticas. Desenvolve reflexões teóricas sobre comunicação, consumo e arte, em perspectiva diacrônica e sincrônica. 

Linha 2: Consumo, literatura e comunicação publicitária

Estuda a ficcionalidade de discursos midiáticos, sobretudo o publicitário, e os elementos de sua poética e estética. – Pesquisar as lógicas produtivas de um segmento da indústria criativa (a publicidade) e artística (a literatura).

Equipe

Coordenador

Participantes

Interno

Externos

Contato

  • jcarrascoza@espm.br

Calendário

Próximos encontros do grupo de pesquisa

Março de 2019

Produção

  • Encontros mensais constituídos por dinâmicas, leitura e debate de textos, assim como apresentação de pesquisas dos integrantes do grupo e de convidados externos.
  • Publicação de coletânea de artigos dos participantes do grupo.
  • Publicação de artigos em periódicos científicos e capítulos de livros nacionais e internacionais da área da comunicação e de áreas afins.
  • Produção e apresentação de artigos congressos acadêmicos da área da comunicação e áreas afins em âmbito nacional e internacional para discussão dos resultados parciais e finais da pesquisa.
  • Proposição e realização de simpósios acadêmicos em eventos nacionais e internacionais.
  • Elaboração de relatórios finais das pesquisas desenvolvidas.
  • Publicação do livro Laboratório do Sensível, organizado por João Carrascoza e publicado pela Editora Sulina.
  • Realização do projeto de pesquisa Centenário do poeta Manoel de Barros, com a produção de um livro com texto dos integrantes do grupo de pesquisa (obra em fase de prospecção de verba em agência de fomento para publicação).
  • Projeto de pesquisa sobre a Festa Literária Internacional de Paraty ao longo do ano de 2018 com finalização em março de 2019.

Resultados 

2016

A pesquisa inaugural do grupo de pesquisa Comunicação, Consumo e Arte, que tratou sobre a retextualização de produções artísticas em diversos segmentos – literatura, artes plásticas, cinema, música etc – obteve ampla repercussão na comunidade acadêmica e resultou na produção de 12 artigos publicados em revistas e congressos e na publicação do Livro “Laboratório do Sensível”, organizado pelo líder do grupo, professor João Carrascoza.

O grupo realizou ainda debates com Andréa Mello, que fez duas apresentações durante o ano. A primeira sobre a dissertação de mestrado relacionada a produção de livros e outra sobre a proposta de layout do livro “Delírio do Verbo”, que deu início ao projeto do segundo ano do GP.

2017

O grupo de pesquisa desenvolveu o projeto “Centenário do poeta Manoel de Barros e o Consumo”, que resultou no livro “Delírio do Verbo” e também publicação de artigos em congressos. As discussões englobaram os aspectos linguísticos do autor, o contexto histórico e as relações da obra artística do poeta com consumo, publicidade e linguagem publicitária que remetem ao estilo literário de Manoel de Barros. A cidade natal do escritor, os livros publicados, a trajetória artística, assim como produções midiáticas inspiradas na poética de Manoel de Barros foram analisadas e relacionadas com diferentes aspectos da produção midiática atual, como ações publicitárias voltadas a diversos segmentos: do turismo à campanhas para a publicidade de bens de consumo.

2018

O projeto sobre a Festa Literária Internacional de Paraty (FLIP) deverá resultar já no início de 2019 em um livro com textos de todos os integrantes do grupo. Ao longo do ano, o grupo discutiu as imbricações desse evento literário com os conjuntos temáticos que englobam a Flip – o evento, a publicidade, as ações publicitárias de empresas, o perfil do leitor brasileiro; a cobertura midiática, as redes sociais, empreendedorismo, autores, os campos de atuação de escritores, além da comparação com outros eventos. O grupo discutiu ainda os aspectos teóricos que envolvem a festa literária e delimitou as principais diferenças em relação à feiras, festivais e encontros literários no Brasil e no exterior, inclusive com pesquisa em campo na própria Flip e eventos realizados fora do País.

A pesquisadora Renata Rendelucci Alucci, também integrante do grupo, apresentou os aspectos da dissertação de mestrado que se relacionou com os estudos do grupo de pesquisa.

 

O grupo discutiu ao longo dos meses de pesquisa a seguinte bibliografia:

ABREU, Marta. Festas e cultura popular na formação do “povo brasileiro”. Projeto história. Revista do Programa de Estudos Pós-Graduados de História. V. 16, 1998.

https://revistas.pucsp.br/index.php/revph/article/view/11192

ALEKSIEVITCH, Svetlana. As últimas testemunhas. Cem histórias sem infância. São Paulo, Companhia das Letras. 2018.

 

AMARAL, Rita de Cassia de Mello Peixoto. Festa à brasileira. Significados do festejar no país que não é sério. Tese de doutorado defendida na Universidade de São Paulo, 1998.

AMARAL, Rita. Para uma antropologia da festa: questões metodológico-organizativas do campo festivo brasileiro. In: AMARAL, Leila; MESQUITA, Wania; PÉREZ, Léia Freitas (org.). Rio de Janeiro, Garamond, 2012.

ASSIS, Machado de. Missa do galo. In: ASSIS, Machado de. Páginas recolhidas. São Paulo, Editora Rovelle, 2008.

BAKHTIN, Mikhail. A cultura popular na Idade Média e no Renascimento. O contexto de François Rabelais. São Paulo, Hucitec Editora, 2010.

BANDEIRA, Manuel. Poema “Profundamente”. In: Antologia poética. Rio de Janeiro, Nova Fronteira, 2001, p. 81.

BERTOMEU, João Vicente Cegato. Criação na propaganda impressa. São Paulo, Thompson Learning, 2006.

BORELLI, Viviane. A midiatização do fenômeno religioso pela televisão: da transmissão em off para a romaria em cinco minutos. Unisinos, 2007.

BORELLI, Viviane. Da festa ao cerimonial midiático: as estratégias de midiatização da telomaria da medianeira pela Rede Vida. Unisinos, 2007.

BERTOL, Domingues; VIEIRA, Itala Maduell. O circuito do livro. Formas de acesso à literatura na contemporaneidade (Brasil anos 2000). Revista Brasileira da História da Mídia. V. 4, N. 2, Julho/2015.

BOURDIEU, Pierre. As regras da arte. São Paulo, Companhia das Letras, 1996.

BOURDIEU, Pierre. A distinção. Crítica social do julgamento. Porto Alegre, Zouk, 2011.

BYUNG-CHUN HAN. Sociedade do cansaço. Rio de Janeiro, Editora Vozes, 2015.

BOSI, Alfredo. Machado de Assis. O enigma do olhar. São Paulo, Ática Editora, 1999.

CARVALHO, Guilherme Freitas de; REIS, Clóvis, ZUCCO, Fabrícia Durieux. Patrocínio de eventos na perspectiva da comunicação integrada e marketing. In: E-book  IV Pró-Pesq PP – Encontro Nacional de Pesquisadores em Publicidade e Propaganda, organizado por Clotilde Perez e Eneus Trindade, São Paulo: INMOD/ABP2/PPGCOM-ECA-USP, 2013.

CRUZ, Mércia, MENEZES, Juliana, PINTO, Odilon. Festas Culturais: tradição, comidas e celebrações. I Encontro Baiano de Cultura – I EBECULT – FACOM/UFBA. Salvador – Ba, em 11 de dezembro de 2008.

EVEN-ZOHAR, Itamar. Teoria dos polissistemas. Tradução de Luis Fernando Marozo, Carlos Rizzon, Yanna Karlla Cunha, a partir do seguinte original:

https://www.tau.ac.il/~itamarez/works/papers/papers/EvenZohar_1979–Polysystem%20Theory%20[Poetics%20Today%20I].pdf

EVEN-ZOHAR, Itamar. Poetics Today. International Journal for Theory and Analysis of Literature and Communication, vol. 11, n. 1, 1990.

FERNANDES, Frederico. Festivais literários, sistemas culturais e marketing territorial: um estudo de caso italiano. Nonada, Letras em Revista, vol. 2, n. 23, 2014, p. 20-33.

FERREIRA, Maria Nazareth. Comunicação, resistência e cidadania: as festas populares. Comunicação e Informação, V. 9, n. 1, página 111-117, jan-jun. 2006.

FERRETTI, Sergio F. Estudos sobre festas religiosas populares. In: RUBIM, Linda; MIRANDA Nadja. Estudos da festa. Salvador, Edufba, 2012. p.17

FONTENELLE, Isleide Arruda. Cultura do Consumo. Fundamentos e formas contemporâneas. São Paulo, Editora FGV, 2017.

GIBRAIL, Gabriela Dutra; MASEDA, Cristina Souza Santos. Flipinha, reinventando a cidade a partir da literatura; Associação Casa Azul, 32 Congresso Internacional de Ibby, Santiago de Compostela, 2010.

HOBSBAWN, Eric; RANGER, Terence. A invenção das tradições. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1984. pgs. 9-23.

LISPECTOR, Clarice. Feliz aniversário. In: LISPECTOR, Clarice. Laços de família. São Paulo, Rocco, 1998.

MACHADO, Aníbal. A morte da porta-estandarte. Tati, a garota e outras histórias. São Paulo, José Olympio, 2010.

MIGUEZ, Paulo. A festa. Inflexões e desafios contemporâneos. In: RUBIM, Linda; MIRANDA, Nadja. Estudos da festa. Salvador, Edufba, 2012. p. 205.

MIRANDA, Kênia. Flip 2: sob a mascara do fetichismo da mercadoria sobre a segunda edição da Festa Literária de Paraty. Revista Trabalho Necessário, Ano 3, Número 3, Faculdade de Educação da Universidade Federal Fluminense – UFF, 2005.

MOREIRA DA SILVA, Maurício C. Cognição, cultura e consumo: A Coca-Cola Azul do festival de Parintins em suas relações globais e locais ou macroscópicas e microscópicas. In: E-book III Pró-Pes PP – Encontro Nacional de Pesquisadores em Publicidade e Propaganda (2012: São Paulo, SP) Deve haver mais pesquisa na publicidade porque é assim que se conquista a real beleza/organizado por Eneus Trindade e Clotilde Perez, São Paulo: Schoba, 2013.

NASSAR, Raduan. Lavoura Arcaica. São Paulo, Companhia das Letras, 1989.

PORTAL, Ana, SEVILLA Portal. Las fiestas en el ámbito urbano. In: CANCLINI, Néstor García. La antropología urbana en México. México, Cunaculta, UAM, FCE, 2005. p. 341-372

http://deas.inah.gob.mx/images/contenido/amparosev/ambitourbano.pdf

SCHWARCZ, Lilia Moritz. Lima Barreto. Triste Visionário. São Paulo, Companhia das Letras, 2017.

SOUZA, Marina de Mello e. Parati: a cidade e as festas. Rio de Janeiro, Editora Tempo Brasileiro/UFRJ, 2015.

SUASSUNA, Ariano. Auto da Compadecida. São Paulo, Nova Fronteira, 2014.

WILLIAMS, Raymond. Cultura e sociedade. Rio de Janeiro, Vozes, 2011.